Brinquedos para Crianças com Necessidades Especiais

A coisa mais gostosa desse mundo é poder presenciar aquele sorrisão delicioso que a Gabi dá quando acerta a brincadeira….por exemplo…quando ela brinca com o pianinho na fisioterapia, ela sabe que tem que bater a mãozinha para o som sair, então, assim que ela consegue bater a mãozinha no teclado já olha para nós esperando a bagunça que fazemos como forma de dizer ‘parabéns filha, vc fez o movimento correto’…

Ela tem também um sapinho que ama de paixão e sabe bem que no sapinho ela não tem que bater, mas sim abraçar… e lá vai ela…dá uma olhada de canto de olho no sapo, prepara os bracinhos, ajusta o movimento – neste momento ela joga os bracinhos pra trás, equilibra igual se tivesse voando sabe? E pronto…joga o corpo e os braços pra frente agarrando o sapo com um abraço beeemm apertado (sempre com a boca aberta tentando ainda dar uma mordidinha nele que é a parte que ela mais curte..rs…).

O mais importante dessas brincadeiras é perceber a evolução da Gabi com relação aos seus brinquedos (antes ela sequer se interessava por eles), pois para crianças com necessidades especiais a brincadeira assume um papel ainda mais importante. “Brincar complementa a reabilitação, pois propicia a qualidade de vida e também os ganhos funcionais. É uma estimulação fundamental para auxiliar na recuperação ou mesmo na criação de mecanismos adaptativos”, afirma Germana Savoy, coordenadora da Associação Brasileira de Brinquedotecas (ABBri).

 

Escolhas conscientes

Na hora de comprar brinquedos, os pais devem levar em consideração sobretudo as preferências da criança, assim como as habilidades e capacidades funcionais. “Determinar que a criança com necessidade especial só fique com o brinquedo adaptado é uma forma de exclui-la”, defende Germana.

É mais importante selecionar o brinquedo de acordo com o desenvolvimento do que com a faixa etária. O que vai resultar em um largo sorriso não é apenas o jogo – adaptado ou não –, mas a estratégia e a dinâmica da brincadeira.

 

Estímulos ideais

A criança precisa de desafios para sentir-se estimulada, assim como êxito na exploração do brinquedo. O que vale é que o pequeno sinta-se valorizado pela conquista, seja montar um bloco ou apertar um botão. “À medida do possível, as crianças devem ser expostas às experiências e brincadeiras naturais da idade. O importante é ter pessoas preparadas para facilitar e mediar a interação”, alerta.

Estratégias como texturizar, sonorizar ou iluminar móbiles, chocalhos e demais acessórios possibilitam que o objeto seja melhor percebido. A música, o canto e a representação de histórias são indicados para qualquer criança, inclusive as com limitações graves no leito. Vale abusar de máscaras, fantasias, bonecos e super heróis, uma boa alternativa aos distúrbios comportamentais.

Para estimular a percepção visual, vale lançar mão de lanternas, purpurina e laminados. Os rostos de brinquedos com muitos detalhes e cores contrastantes ajudam a organizar esquemas visuais. Utilizar os demais sentidos na brincadeira como a audição e o tato é fundamental.

As crianças com limitações motoras devem ter seu acesso facilitado a diversos ambientes e posições que possibilitem a exploração. No caso das limitações auditivas, as brincadeiras corporais são as mais indicadas. Jogos de percussão são interessantes, pois possibilitam perceber a vibração do som e ampliar a sensibilidade.

 

Matéria publicada no site: http://www.faculdadedosaber.com.br/_blog/?p=840

 

12 Comentários


  1. Olá! eu tenho um filho com PC e que ainda tem um pouco de dificuldade em sustentar o pescoço gostaria de saber sobre esse colar que sua gatinha esta usando. lindissima

    Responder

    1. Oi Jéssica, tudo bem? O colar cervical da foto foi uma costureira amiga minha que fez…mas, sei que tem pra vender nessas lojas de produtos ortopédicos, eles são excelentes para usar nas terapias, pois estabilizam o pescoço possibilitando que a criança se concentre mais nos movimentos do corpo. No caso da Gabi, uso somente nas terapias e deixo que ela tente fazer a sustentação sozinha no resto do dia, serve como estímulo para ela também. Abraço, Cris

      Responder
  2. alex sandra alves da silva santana

    que eu gostaria de saber aonde voce faz o acompanhamento da gabi ? por que meu filho faz na apae em adamantina sp . mas ele não usa nada no pescoço eu vi que a sua usa porque o matheus tem corpo mole sua luta com a gabriela e muito linda voce e incrivel pela força de vontade que tem bjos estou torcendo para a gabi e que fiquem em paz beijos .

    Responder

    1. Alex Sandra, tudo bem? Faço todo o acompanhamento da Gabi em Joinville – SC e quem me orienta neste sentido são os profissionais de cada área, ou seja, Fono, Fisio, Terapeuta Ocupacional..assim como acredito que aconteça na APAE. O colar cervical a Gabi usa já faz um bom tempo, apenas nas sessões de Fisio e Terapia Ocupacional, como ela é hipotônica (não mantém o pescocinho) para estas atividades é importante ter este auxilio no pescoço, assim consegue organizar mais os movimentos sem ter que ficar apenas tentando ‘segurar’ o pescocinho…converse com a fisioterapeuta do Matheus, acho que ela vai concordar. Continue estimulando o Matheus, tenho certeza que logo logo ele vai superar tudo isso! beijos Cris

      Responder
  3. leticia

    Amei o post!!! Cada vez mais interessante, esse blog merece virar um livro!!

    Responder
  4. Cristina

    Oi Cris, meu nome é Cristina, sou sobrinha da Andréia Cervantes.
    Sabia por alto da história da sua família, sua luta diária, sem medir esforços para a a recuperação da Gabi. Ontem ví que a Soila, através do facebook, postou um link do blog. Acessei, lí tudo e fiquei encantada, ainda mais, com toda a sua história!
    Vcs são guerreiros que lutam cada batalha por mais difícil que elas sejam, por maiores que sejam os obstáculos! Estarei na torcida por vcs e desejo do fundo do meu coração, e tenho certeza, tudo vai dar certo!
    Um grande beijo e muita paz no coração de todos vocês!
    Cristina

    Responder

    1. Oi Cristina, obrigada pelo carinho!!! a Gabi é uma guerreirinha linda e ensina todo mundo ser igual a ela…obrigada pela torcida!!! beijos. Cris

      Responder
  5. Tania Baggio

    Linda demais a Gabi. Que felicidade ver os progressos dela. Nossa essa princesa é demais! Bj

    Responder

    1. Tania, gosto tanto de saber que temos vc sempre por perto! obrigada por todo este seu carinho conosco, principalmente com a Gabi!!! bjos

      Responder
  6. Paty Mendlowicz

    Conheço esse tamborzinhoooo q linda ela esta e de fato nada melhor q brinquedos adequados p a nossa princesa se desenvolver logo logo a tia paty providencia algo mais barulhento rsss tenho pensado mto em uma bateria rsss bjs amores!!!

    Responder

    1. Paty, a Gabi adora o tamborzinho e sabe bem dar umas pancadas nele para sair o som..rs…você sempre acerta nos presentes! Com relação a bateria (rss…) nem conta pra ela…rs…!!! bjos

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *