9 Comentários

  1. Sheila Silva

    Linda a história de vocês, que Deus os abençoe mais e mais.
    Sou Sheila , 39 anos e minha filha tem 13 anos e os médicos do hospital das clínicas fecharam o diagnóstico dela em Mitocôndriopatia também, não sabem qual o tipo porque o exame que descobre o tipo certo só faz particular e eles disseram que é caro e é mesmo.
    Ela tem atrofia do nervo ótico o que a faz enxergar só de perto.
    Tem distonia , não segura muito a cabeça tambem, e se cansa com facilidade quando faz muita atividade por menor que seja .
    E ela sente dores pq apesar de não falar se comunica através de placas e responde quando perguntamos através delas.
    Mas creio que Deus vai nos abençoar e vamos conseguir cada dia mais dentro das limitações dela viver um dia de cada vez.
    Parabéns a Gabi ela é linda
    A minha tbm é Gabi rsrs ( Ana Gabriella)

    Responder
  2. Elizabeth Lopes

    Meu filho tem 12 anos estamos investigando essa doença ele sente cansaço físico

    Responder
  3. Aline

    Parabéns pela luta. Tenho um filho com TEA e sei que a luta é àrdua. Ver ma~es com vc nos enche de forças também. Um forte e caloroso abraço. Um beijo enorme na Gabi.

    Responder
  4. Diana

    Que lindo depoimento. Muito emocionante! Desejo tudo de bom para vocês, que o futuro reserve muita saúde e cada vez mais força! Bjos.

    Responder
  5. Denise lima

    Nossa acabei de ler está depoimento de vida, me emocionei muito. Até porque recebi a notícia da suspeita desta doença em uma pessoa muito querida por mim. Só posso dizer que Deus faz mãesentido especiais para crianças mais do especiais.Agradeço a vc Elisangela por ter compartilhado sua história tão real e tão linda.Parabéns sua pequena princesa com certeza é muito feliz com todo sua demonstração de carinho; não posso dizer que Deus te abençoe pois seria perca de tempo porque tenho certeza que ele já está fazendo isso a todo momento quanto vi a foto da Gabi.

    Responder
  6. Natasha

    Oi Cris, tudo bom? Espero que a Gabi esteja bem!
    Nunca dividi isso com muitas pessoas, principalmente em mídia social, mas meu novo neurologista especializado em epilepsia disse porquê não falar?
    Eu tenho a sua idade 38 anos e tenho crises focais desde os 12 anos, com poucas convulsões ao longo da vida, sendo controladas por Tegretol CR / carmabazepina. Há mais ou menos 5 anos as crises de ausência começaram a aumentar, não dei a atenção que deveria… e tudo foi se agravando. Até que 2 anos, perceberam no trabalho e minha vida virou um inferno, nunca consegui abrir a ninguém, mas resolvi buscar um especialista e minha vida vem mudando, tentamos Keppra associado ao Tegretol, mas não deu certo e agora estou com o Lamitor, que está sendo ótimo, Ainda na fase de adaptação, ‘mas minha vida está mudando muito. Estamos todos nesta corrente de melhoras!!!!

    Responder
  7. Maiara dos Santos Pereira de Jesus

    olá, tenho uma filha de 1 ano e 9 meses que na ressonância magnetítica apontou uma doença mitocondrial, ela tem os mesmos sintomas da sua filha, recebi essa noticia a 3 dias atras e também quero respostas sobre o amanhã da ana, se vai correr, me chamar de mamãe, se vai poder estudar e ser bailarina como eu queria, preciso muito dos conselhos e orientações de quem estar passando por isso, até por que essa doença é raríssima e não tinha conhecido outros casos, se poder me orientar por e-mail ou até mesmo por telefone, eu agradeceria muito.

    Beijos..

    Responder
  8. Joelma Alencar

    Estou vendo a história da filha a única diferença é que nasceu com o tempo e peso dentro dos padrões normais ainda não temos diagnóstico está em investigação mais tem uma suspeita e se for essa mãe já é um grade exemplo de superação pra mim.Estou firme e forte junto com minha princesa karinny.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *